• Orlando Coutinho

Mário de Sá-Carneiro

Um autor consagrado com apenas 25 anos de vida merece ser lido.

Este livro com edição de Fernando Cabral Martins e publicação da Assírio e Alvim, reúne – como indica o subtítulo – o essencial (dela de extrai, por exemplo, a escrita para teatro) da obra poética e narrativa de Mário de Sá Carneiro.

As multíplices influências literárias estão conectadas pelos lugares onde esteve e pelas pessoas com quem acabou por interagir; daí que não seja estranho que de França, onde viveu uns anos, tenha extraído um certo “decadentismo” e a Pessoa tenha ido buscar, por exemplo, o futurismo.


O seu veio existencialista empurrou-o para uma tentativa de explicação e junção de nexo e causalidade pela escrita. E se é certo que daí colhemos, sobretudo, uma excelente coletânea poética, a verdade é que – o Homem em si mesmo – não se bastou às interrogações que procurou responder, tendo eclodido no extemporâneo desfecho conhecido.

Na página vinte e sete do volume, tem um poema datado de 5 de maio de 1913, feito em Paris, que para mim é um dos prediletos e reza assim:


Estátua Falsa


Só de ouro falso meus olhos se douram;

Sou esfinge sem mistério no poente.

A tristeza das coisas que não foram

Na minh'alma desceu veladamente.


Na minha dor quebram-se espadas de ânsia,

Gomos de luz em treva se misturam.

As sombras que eu dimano não perduram,

Como Ontem, para mim, Hoje é distância.


Já não estremeço em face do segredo;

Nada me aloira já, nada me aterra:

A vida corre sobre mim em guerra,

E nem sequer um arrepio de medo!


Sou estrela ébria que perdeu os céus,

Sereia louca que deixou o mar;

Sou templo prestes a ruir sem deus,

Estátua falsa ainda erguida no ar...


Bem Vistas as Coisas, a vida de Mário de Sá-Carneiro perdura.

7 visualizações

Criado por Orlando Coutinho @ 2015.  

  • b-facebook
  • Twitter Round