top of page
  • Foto do escritorOrlando Coutinho

Carlos Drummond de Andrade


É uma delícia a leitura da obra poética deste autor brasileiro do século passado que a academia coloca na segunda vaga do modernismo brasileiro, a par de outros adorados como Vinícius de Moraes.


Cá por casa depois da “devoragem”– a sua Antologia Poética - é consulta perdurável e compassada de tempos a tempos.

A edição é da D. Quixote, a quinta, de 2015.

Não resisto, para abrirem o apetite, partilhar um dos meus favoritos:



O enterrado vivo


É sempre no passado aquele orgasmo, é sempre no presente aquele duplo, é sempre no futuro aquele pânico.


É sempre no meu peito aquela garra. É sempre no meu tédio aquele aceno. É sempre no meu sono aquela guerra.


É sempre no meu trato o amplo distrato. Sempre na minha firma a antiga fúria. Sempre no mesmo engano outro retrato.


É sempre nos meus pulos o limite. É sempre nos meus lábios a estampilha. É sempre no meu não aquele trauma.


Sempre no meu amor a noite rompe. Sempre dentro de mim meu inimigo. E sempre no meu sempre a mesma ausência.


A angústia, a ansiedade, a perenidade da ausência e a dicotomia entre o sentimento das palavras e o efeito que delas derivam a outros, está condensado nestas magnificas estrofes.

Bem Vistas as Coisas, não se sente uma parte importante da História do Brasil sem uma passagem por Carlos Drummond de Andrade.

11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page