• Orlando Coutinho

Conservadorismo


Para quem quer uma definição estanque de conservadorismo terá uma deceção ao ler este magnífico livro de João Pereira Coutinho até porque, logo na página 15, o autor coloca-nos - ao avesso de um bom conservador - na montanha russa, ao afirmar que «O conservadorismo não existe»! Claro que esclarece a polissemia do termo, com “conservadorismos”, ou seja, as várias modalidades interpretativas deste caldo ideológico.

Na verdade, continuo a resumir o conservadorismo com uma ideia antiga de Oakeshott e que também vem mencionada na obra, a saber «Ser conservador, então, é preferir o familiar ao desconhecido, é preferir o tentado ao não tentado, o facto ao mistério, o actual ao possível, o limitado ao ilimitado, o próximo ao distante, o conveniente ao perfeito, o riso presente à felicidade utópica» ou, como popularmente se diz, “não trocar o certo, pelo incerto”.

De facto, a escrita deste autor é cativante e o ensaio é verdadeiramente estimulante para quem quer ficar com uma ideia global dos pensamentos conservadores.

Passando pelas especificidades humanas que levam o Homem a ser conservador, ou a ter graus de conservadorismo, ou melhor ainda como ele diz «todos somos conservadores», o autor percorre – numa hermenêutica bem conseguida - um conjunto de filósofos e cientistas políticos que acabam por densificar o essencial desta ideologia que a todo o tempo deve ser revisitada.

Em síntese, a estabilidade, a previsibilidade e a confiança, são três ingredientes indispensáveis ao verdadeiro conservadorismo.

Vale mesmo a pena a leitura.

Bem Vistas as Coisas, o conservadorismo é uma ideologia, como diria Samuel Huntington, “não ideacional”.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo